“O Romance do Genji”, Murasaki Shikibu

ESTE POST É SOBRE UM LIVRO QUE EU NÃO FAZIA IDEIA QUE EXISTIA E PORQUE É QUE TODA A GENTE DEVIA LÊ-LO

Eu não fazia ideia que este livro existia.

As únicas coisas que tinha lido de autores japoneses foram o “Hagakure”, uma espécie de manual do samurai, a “Crónica do Pássaro de Corda” do Murakami (que, honestamente, não percebo) e recentemente ouvi falar de Mieko Kawakami mas ainda não li nada dela.

Graças ao curso sobre “Obras primas da literatura mundial” do edx descobri esta pérola e foi uma viagem no espaço (daquelas que por enquanto não podemos fazer) e no tempo (das que os livros e a imaginação sempre proporcionaram).

Sem sair da minha casinha viajei até ao Japão do séc. XI. E que viagem!


Kiritsubo, from the series Lingering Sentiments of a Late Collection of Genji https://collections.mfa.org/objects/190314/ch-1-kiritsubo-from-the-series-lingering-sentiments-of-a?ctx=9c25fb67-a9d3-4ccb-b3fd-63e850f55ec1&idx=5

O Japão antes dos shogun

Entre 794 e 1185 o Japão viveu aquele que foi considerado o seu período áureo, a era Heian. Um período de quatro séculos de paz até à consolidação da lei marcial (1185), que por sua vez, inaugurou a era dos senhores da guerra, dos shogun e que é talvez o período mais conhecido da história do Japão.

Durante estes quatro séculos, a cultura japonesa floresceu.

Baseando inicialmente o seu sistema de escrita nos caracteres chineses (kanji), os japoneses foram adaptando a pronúncia dos kanji de modo a poderem pronunciar os seus próprios sons e depois a escrita, de modo a poderem exprimir pensamentos e ideias que não cabiam nos caracteres chineses.

Com o desenvolvimento da escrita, a literatura conheceu o seu apogeu no séc. X. e desenvolveu-se uma forma poética original, o waka, poema de trinta e uma sílabas, usado pelos homens e mulheres deste período para exprimirem os seus pensamentos e emoções mais íntimos.

Exemplo de um waka do Genji:

"A bela imagem 
Da cerejeira dos montes 
Não deixa o meu espírito 
Embora lá tenha deixado 
Todo o meu coração" 

A autora

Neste cenário, uma escritora da corte de Michinaga, escreveu o Genji Monogatari (“O romance do Genji”). O seu nome chegou-nos até hoje como “Murasaki Shikibu” mas esse era um dos cognomes atribuídos às damas de honor da corte imperial e não o seu nome verdadeiro.

De Murasaki sabe-se que viveu entre 973/978 e 1014/1031. Aprendeu a ler e escrever chinês graças ao preceptor do seu irmão – escutava as lições clandestinamente pois não era suposto as mulheres saberem falar chinês.

Casou com Fujiwara no Nobutaka, que a introduz na corte como preceptora da Princesa Akiko e graças ao seu talento, rapidamente se tornou na figura central de um círculo literário feminino.

Murasaki Shikibu, from an untitled series of female poets https://collections.mfa.org/objects/233977/murasaki-shikibu-from-an-untitled-series-of-female-poets?ctx=21626d01-b1ab-4a1d-951a-212ddb0162a5&idx=142

A corte do Genji

A corte desta altura era um local privilegiado a cultura e para a arte. A literatura, a pintura, a caligrafia, a poesia preenchiam os tempos ociosos dos nobres. Era comum um homem apaixonar-se pela caligrafia de uma mulher antes mesmo de a conhecer e uma má caligrafia era tão má como um defeito físico!

Além de ter uma óptima caligrafia, esperava-se que um nobre fosse capaz de improvisar poesia. Por todo o Genji, há exemplos de verdadeiras “batalhas” de poesia, em que se espera que o interlocutor compreenda as referências do poema (a situações ou a outros poemas) e seja capaz de responder à altura.

Não ser capaz de responder com um poema de qualidade, especialmente numa situação de conquista amorosa, é uma desilusão para o interessado!

O Genji

Genji and Young Murasaki at Ueno (Ueno, Genji Wakamurasaki): Actor Sawamura Tosshô I as Genji https://collections.mfa.org/objects/214253/genji-and-young-murasaki-at-ueno-ueno-genji-wakamurasaki?ctx=71a5799f-8756-4ddb-bae1-09887d398207&idx=103

O Genji (=”príncipe”) é filho do Imperador e de Kiritsubo (sua concubina).

Kiritsubo, dado a preferência que o Imperador lhe atribui sobre todas as outras damas da corte, rapidamente atrai os rancores de todas elas e morre quando Genji tem apenas três anos. (Morrer pelo ódio é um tema recorrente do romance).

Genji cresce na corte sob a protecção do Imperador. Excepcionalmente belo e dotado, capaz de compor versos admiráveis e escrevê-los numa caligrafia igualmente magnífica, todos o admiram e as conquistas amorosas sucedem-se.

A corte japonesa destes tempos é um mundo em que as relações amorosas são apenas do interesse dos intervenientes. Pode-se dormir com quem se quiser (incluindo a própria madrasta) desde que não se ofenda a hierarquia vigente (o que trará alguns dissabores ao Genji!).

Sucedem-se os amores e os affaires, pontuados com muita poesia, entrecortada por paredes de papel e auroras (e intrusos) que surpreendem os amantes.

As referências às estações do ano e à natureza são omnipresentes. Às flores típicas de cada estação do ano, ao orvalho, aos animais e às cores. (Em cada estação do ano deviam vestir-se determinadas de cores).

Estranhamente fica-se com a sensação de que tudo o que acontece, acontece suavemente, com grande delicadeza, sem grande alvoroço. E não é porque haja falta de acção.

Tudo se deve à poesia e à beleza da prosa de Murasaki, que conferem um véu diáfano que cobre todo o sofrimento e o embelezam ao ponto de se esquecer a dor e restar apenas a perfeição das palavras.

Conclusão:

5/5 *****

e ainda só li o primeiro volume. Quando souber o que acontece ao Genji volto para vos contar.

Até lá façam viagens pelos livros, pode ser que apareçam ideias de belas viagens para se fazerem fora deles!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s