Introdução

Utopia,

Do grego u-topos (não-lugar), um lugar que não existe, um lugar inventado. Esta é a secção para falar dos meus lugares, topos (palavras gregas dão sempre um ar muito erudito: aletheia, pathos – não confundir com “patos”). Quer sejam lugares de verdade, geograficamente comprováveis e visitáveis (ou não!), lugares imaginados por uma cabeça e presentes em muitas (terras médias, Hogwarts, etc.), lugares imaginados por cabeças desconhecidas (Avalon, Atlântida…)  ou lugares que não correspondem a nenhum dos anteriores e só existem na minha cabeça. Seja porque são uma construção sobre um lugar existente ou outras coisas completamente u-tópicas.

&

Bolos às fatias.

Porquê bolos?

Porquê às fatias?

1.º porque EU ADORO BOLOS (cfr Conan Osiris), tanto comê-los como fazê-los.

2.º Há tanto bolo entre nós!

Louvemos a diversidade genética de fauna bolar em Portugal e no mundo! Do bolo de arroz ao bolinho de bacalhau, do bolo de bolacha ao bolo do caco, da rainha de todos os bolos, a bola de Berlim (de que falarei em mais detalhe num tratado sobre a mesma) aos bolos que nem sequer têm “bolo” no nome: Napoleões e Josefinas, jesuítas, limonetes, ducheses, queques e muitos, muitos mais.

Aqui neste canto do blog vamos abordar gastronomia e outros tópicos de que me apeteça tratar e que não caibam nas utopias. Mas cabem numa fatia de outra coisa qualquer. E pronto, vou-me embora que isto tá a dar-me fome!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s